Koi-Guera – 1997

capa-duas-estacoes
Duas Estações – 2000
23 de outubro de 2015

Koi-Guera – 1997

capa-koi-guera

KOI-GUERA em tupi significa “o que será morto”. Em Koi-Guera, a coreógrafa Dora Andrade reafirma o seu compromisso com a dança e o desvelar da realidade. O espetáculo já foi apresentado 68 vezes tendo sido assistido por 65.639 pessoas. Koi-Guera é um grito e ressoa alto no nosso inconsciente. Fala da vida de um povo a mercê de um extermínio perverso e sanguinário. Fala de nós, de um passado que não conhecemos e de um presente que nos negamos a reconhecer. Chama a atenção para um dos problemas atuais de maior relevância: o etnocídio indígena.

 

Koi-Guera é movimento, é música, é poesia. Fala das nossas origens e denuncia nossa omissão para com os povos indígenas, nossos irmãos e ancestrais. Anuncia um novo tempo onde as relações serão mais humanas e solidárias. O QUE SERÁ MORTO? O que se perde quando um elo é cortado e nós já não conhecemos o nosso próprio rosto? Ver o espetáculo é começar a encontrar a chave para as respostas ou um caminho para formular outras perguntas. Impossível não se emocionar.

FICHA TÉCNICA

  • Coreografia: Dora Andrade
  • Assistentes Coreográficos: Valério Oliveira e Gilano Andrade
  • Colagem Musical: Chico de Sales
  • Cenografia e material cênico: Marcelo Santiago
  • Adereçaria: Funai
  • Iluminação: Samir Kassouf
  • Fotografia: Mila Petrillo
  • Produção: Gerusa Pacheco
  • Direção Geral: Dora Andrade
Contato para eventos: (85) 3278-1515 / (85) 98869-1180 – edisca@edisca.org.br